Bem-vindos ao The Raven Cycle Brasil, sua primeira e melhor fonte sobre a saga de livros e série de TV! Possuímos o melhor conteúdo sobre a Saga dos Corvos no Brasil. Com único intuído de informar e unir fãs esperamos que gostem do site e voltem sempre a nos visitar. Aproveite para nos acompanhar nas nossas redes sociais para ficar ainda mais informado sobre a saga.
Arquivo da categoria: 'All The Crooked Saints'
[TUMBLR] Maggie Stiefvater responde perguntas.
15.Nov

No dia 14/11/2017, Maggie Stiefvater abriu a inbox em seu Tumblr e respondeu algumas questões dos fãs. Nossa equipe traduziu as perguntas e respostas de maior relevância – referente aos livros da autora. Confira abaixo:


prowlingthunder
Qual foi sua frase favorita (mais recente) de escrever?

Querida prowlingthunder,

Eu estou adorando quase todas frases que escrevi no livro do Ronan, mas aqui está uma recente e aleatória (e como todas frases de um trabalho em andamento, pode desaparecer, mudar ou explodir no resultado final do livro):

Havia um deus no prédio que ele havia acabado de deixar para trás, mas também havia outro selado nesse asfalto, brilhando friamente nos refletores entre as pistas, sussurrando em línguas por baixo do rugido do motor do carro.

sua,

Stiefvater


cara-rose-witch
A saga do Ronan realmente irá acontecer, e se sim, há alguma possibilidade de vermos a “gangsey” original nela?

Querida cara-rose-witch,

A saga do Ronan realmente irá acontecer e, embora tenha personagens da saga anterior, não será A Saga dos Corvos e a gangsey não irá aparecer da mesma forma. É muito centrado no Ronan, não tanto de uma forma de ponto de vista e mais como o nosso sistema solar que é centrado no sol.

Há também novos personagens que, esperançosamente, os leitores irão passar a amar ou odiar.

Sua,

Stiefvater


randamqueen
Como alguém nascida e criada na Irlanda, é tão incomum ver histórias que utilizam a nossa mitologia/cultura de um modo respeitoso e preciso! A Saga dos Corvos fez isso de uma forma tão boa, especialmente com o Ronan e sua família. Então, minha pergunta é: o que fez com que você ficasse interessada na mitologia irlandesa e galesa? 

Querida randamqueen,

Meus pais nos criaram como parte da confusa e inconstante diáspora céltica-americana – passei minha juventude em bares, tocando em bandas célticas, assistindo qualquer filme ou TV que fosse irlandês ou escocês que pudesse ver na BBC ou na biblioteca, lendo lendas célticas e bestsellers da época e clássicas fantasias escocesas. A América Celta não é com a Irlanda, Escócia ou o País de Galês. As culturas ficam enroladas e combinadas aqui, de uma maneira que, rapidamente, fica bombástica ou esquecida, mas também se congelam em uma linguagem bastante semelhante da original, que faz parecer nostálgico e melancólico viajar para a Irlanda ou Escócia.

Há muito mais disso nos livros do Ronan, particularmente, como seria viver em uma cultura muito estranha e dividida. Diáspora de qualquer tipo pode ser tanto empoderadora quanto solitária. Você é parte de um clube, mas um em que os membros mais legítimos não pertencem, realmente, a nenhuma terra. É uma pergunta sem uma boa resposta, e essas são coisas que eu gosto de escrever sobre.

sua,

Stiefvater


theongreujoy
Olá, boa tarde (bom, espero que seja de tarde e você ainda esteja lendo as perguntas, porque sou péssima com fuso horário). Eu estava pensando se você planeja tocar na hereditariedade irlandesa do Ronan na trilogia – no contexto do Niall ter crescido na Irlanda do Norte? Levando ele a encarar valores, ser irlandesa sempre foi uma coisa complicada para mim, já que há tantos nuances na situação e seria legar ver isso ser explorado mais em uma saga, onde há mais espaço para esse tipo de coisa.

Querida theongreujoy,

Quando eu estava escrevendo A Saga dos Corvos, eu escolhi Belfast para o Niall de propósito – meu foco em graduação foi em 1916 & 1969 – mas eu ainda não tenho certeza de quanto espaço irá tomar na saga. Tudo ainda está naquele lugar de grandes mudanças. A infância de Niall pode acabar como uma história reserva que nunca aparecerá no papel, ou pode me levar para lugares maiores.

sua,

Stiefvater


agriculture-lesbian
O que aconteceu com o cachorro do Adam que conhecemos no primeiro livro?

Querida agriculture-lesbian,

Muitas pessoas me perguntam sobre esse cachorro. O cachorro não era do Adam. Era um cachorro que mal vivia perto dele. Cachorro de um vizinho. Cachorro da porta ao lado. Você pode saber disso porque, se o cachorro fosse do Adam, eu teria dado um nome para ele e depois teria o colocado em uma situação de conflito para fazer os leitores chorarem e arrancarem os cabelos e torcerem para o melhor.

sua,

Stiefvater


giraffedragon-universe
Qual foi sua parte favorita escrevendo A Corrida de Escorpião?

Querida giraffedragon-universe,

Eu amo escrever sobre comida. Há uma parte onde eles estão em uma padaria que me fez muito feliz.

sua,

Stiefvater


insert-username-here712
Querida melhor autora. Estou pensando onde você conseguiu inspiração para escrever All The Crooked Saints. É um livro lindo e, definitivamente, vai para a minha lista de livro que eu absolutamente adoro, junto com A Saga dos Corvos. Você planeja escrever uma continuação?

Querida insert-username-here712,

Ora obrigada. É um livro único, por agora. Eu quero digitar “é um livro único com toda certeza”, mas toda vez que digo que algo é “com toda certeza” eu acabo parecendo uma idiota se mudo de ideia. Então, é um livro único por agora, do mesmo modo que A Corrida de Escorpião é um livro único por agora.

sua,

Stiefvater


fantasyteapot

Oi Maggie! Eu acabei de receber All The Crooked Saints como presente de aniversário hoje, e eu estou TÃO animada para finalmente começar, mas qual é a coisa que você espera que as pessoas levem com elas depois de ler a história?

Querida fantasyteapot,

Eu vi uma crítica, mais cedo, que diz que All the Crooked Saints era apenas meio romance, realmente era apenas um relato ficcional de como Stiefvater sentiu que deveríamos enfrentar a saúde mental. Eles não estão errados. Toda a coisa era para ser uma metáfora, extensa e divertida, sobre enfrentar nossa escuridão interior, pensando em quanto disso podemos fazer por conta própria, e  quanto podemos delegar para outros, e  quanto podemos fazer em um vazio, ou não.

Se fizer com que os leitores contemples essas perguntas por, ao menos, um segundo, eu sinto que fiz meu trabalho.

Também, há um parágrafo no livro sobre besouros destrutivos que me tomou um longo tempo para pesquisar, que não influencia em nada a história, mas eu estava muito investida na pesquisa para cortar fora.

Então, provavelmente, se lembre dessa parte também.

sua,

Stiefvater


hadal-sunlight

Eu tive o privilégio de conhecer você em uma turnê e você é como suas histórias – hilária, mística, impenitentemente autêntico, com um grande coração. Eu apenas gostaria de saber se você tem algum conselho para aqueles de nós que querem publicar algo? Como você conseguiu? Obrigada por existir!

Querida hadal-sunlight,

Ora, obrigada.

Eu sabia que eu queria ser uma escritora desde pequena. Não apenas uma escritora, mas uma autora comercial, com livros de brochura em lojas de aeroporto. Eu tive um sonho! Um sonho enorme! Um sonho grande, irracional e desabotoado, de conseguir chegar no top 100 bestsellers.

Mas eu também tinha uma grande linha do tempo para conquistar esse sonho: na minha cabeça, pensei que seria ótimo conseguir entrar na lista de bestseller com 50 anos, e então, talvez trabalhar meu caminho até puxar os calcanhares desses tipos Tom Clancy.

A diferença entre esses dois, o sonho e a expectativa do sonho, foi o que fez cada contratempo e rejeição não doer. Eram todos parte do plano, no final das contas. O plano: continuar trabalhando, ficando melhor, tentando, aprendendo, vivendo a maior e melhor vida que eu podia durante esse período e, eventualmente, com 50 anos, chegar ao sucesso.

O plano foi arruinado quando eu fui publicada antes disso, mas o sentimento nunca se apagou. Sonhe grande, mas estenda a linha do tempo para algo longo, e ame a jornada.

sua,

Stiefvater


Fonte: (x)
Tradução e adaptação: The Raven Cycle Brasil – não reproduza sem créditos, plágio é crime.



[LIVROS] Maggie fala sobre sua escrita, All the Crooked Saints e dá dicas para aspirantes a escritores.
10.Nov

Maggie Stiefvater concedeu uma entrevista para o The Stanford Daily na qual fala sobre seu processo de escrita e seu novo livro All the Crooked Saints. A autora também dá conselhos para autores aspirantes e sobre como lidar com a fase da adolescência. Confira a entrevista traduzida abaixo:



The Stanford Daily (TSD): O que você pode nos contar sobre seu mais novo livro, “All the Crooked Saints”?

Maggie Stiefvater (MS): É um conto pequeno e muito estranho. Acontece no sudeste de Colorado no meio de um deserto. É 1962, e há uma família miraculosa, que pode realizar apenas um milagre, e é quando chegam os peregrinos, que eles tornam a escuridão interior deles visível, concreta e tangível. Eles são sempre muito estranhos, porque são uma metáfora para o que está errado com você. Há pessoas que possuem cabeças de coiotes, há gigantes e há pessoas que tem cobras ao redor de si. Existe também, na verdade, outro milagre que tem que acontecer lá fora: os peregrinos tem de se consertar antes de irem embora. Se um santo interferir nisso, então um tabu é quebrado e a escuridão do santo irá pousar neles, e tudo será terrivelmente errado. Então, eles nunca ajudam os peregrinos e os peregrinos devem descobrir tudo sozinhos e, obviamente, essa é uma ideia terrível e tudo vai dar errado.

 

TSD: Essa história está enraizada em alguma mitologia em particular?

MS: Eu fui torturada por freiras católicas. Isso não é verdade; eu também fui criada ternamente por elas. Eu fui para uma escola católica até a sexta série, então fui criada como uma católica. Há muita espiritualidade nisso. Eu também cresci lendo muito realismo mágico, então eu gosto da ideia de sair de onde estou agora —  que é fantasia contemporânea que algumas vezes pisa nesse realismo —  para chegar em um total realismo mágico. Então, apenas pegar a mágica e criar as metáforas concretas.

 

TSD: Eu acho muito interessante que “Shiver” foi sobre pessoas desaparecidas, então há um enredo emocional ali. “A Corrida do Escorpião,” quando eu li, era sobre lar, com o que você se conecta e qual é a sua ideia de lar. Como você encontra o enredo emocional de suas histórias?

MS: Eu acho que se tento forçar muito isso, bem no começo, você acaba com um livro muito maçante. Se você sentar e falar: “Certo, ‘A Corrida de Escorpião‘ será, obviamente, sobre a batalha entre o tradicionalismo e a progressão, e sobre espiritualidade versos religião” — eu não planejei contar uma história sobre nenhuma dessas coisas. Ao invés disso, a história se tornou isso.

Parte disso é que escrever é um espelho tão inconsciente. Você começa com um enredo que não possui nenhum tema inerente ou valores. Quando você acrescenta a isso as coisas que te interessam, você descobre que não é uma autobiografia, mas claramente represente o que você está pensando naquele momento. Com “A Saga dos Corvos” , eu estava olhando propriedades no Shenandoah Valley. Eu era uma pirralha da marinha, então eu me mudava para todo lugar. Eu vivi em 18 lugares antes de fazer 18 anos. Eu nasci em Shenandoah Valley na Virginia e amei, então percebi que eu seria triste vivendo em qualquer outro lugar. Como uma adulta, continuei visitando o local e pensei que poderia apenas me mudar para lá. Não há ninguém me dizendo que não posso fazer isso. Eu sou crescida e realmente tenho um dólar agora. Eu posso comprar uma casa e viver aqui.

O ponto é que você consegue ver isso em “Os Garotos Corvos” tão fortemente. É o primeiro lugar que, qualquer um dos personagens, se sente em casa. Eles estão como: “Oh, sim! Eu estou crescido! Posso estar em casa aqui!” Isso não era uma coisa que eu pensava que seria um dos temas dessa saga, mas se tornou, abrangentemente, um deles.

Isso é o que casa é; aqui é onde você se sente em casa, mas também família e encontrar sua família é encontrar sua casa. Eu acho que tem que acontecer de forma orgânica, ao menos para mim, porque, de outra forma, se torna em um momento didático.

 

TSD: Você tem alguma ideia para adolescentes que não sabem o que querem fazer?

MS: Eu não sei se sou a melhor pessoa para responder isso, por duas razões. Para começar, eu sempre soube o que queria fazer, desde que era muito pequena. Eu era uma criança pequena, excêntrica e terrível. Não tinha vida social. Eu não abraçava outras pessoas. Eu falava como o Batman. Sempre me vestia em preto e sempre soube que queria ser uma escritora comercial. Eu até mesmo sabia que tipo de escritora eu queria ser. Era importante para mim que eu seria uma contadora de histórias e que outras pessoas iriam ouvir o que eu tinha para dizer. Então, esse sentimento de não saber o que você precisa fazer é estranho para mim. O que eu não sabia é como eu deveria fazer isso.

Se você quer conselhos meus sobre isso — se você tem algum tipo de ideia, siga isso. As pessoas que seguem em frente são as pessoas que apenas escolhem alguma coisa, porque então você tem a cabeça e os ombros, e daí constrói o resto. Logo que você fazer uma decisão, pode sempre escolher depois, se perceber que era algo ruim, e fazer outra decisão. Você estará na frente da pessoa que para e fica: “Não tenho ideia”.

Também, siga outras pessoas que tiveram sucesso. Não reinvente a roda, que foi o que eu fiz primeiro. Outra razão do motivo que sou uma péssima pessoa para perguntar isso é que eu odiei a faculdade. Tentei desistir diversas vezes. Meus pais me subornaram para continuar. De qualquer forma, eu acabei não a utilizando. Por isso eu sou um tipo de “anti-faculdade”, então não, não me escutem. Fiquem na escola, crianças! Tenho certeza que é ótimo. Tenho certeza que é fantástico.

Na verdade, eu não escrevi nada durante a faculdade. Eu fazia faculdade de História, então eu escrevi para isso. Nós costumávamos escrever artigos de cem páginas para isso. O que foi muito útil porque tivemos que escrever com um prazo de doze semanas, o que é basicamente o meu trabalho agora. Você também aprende a pesquisar um monte. O mais importante, me deu uma base de conhecimento enorme de histórias para contar, então eu falo para as pessoas que: se você quer ser um escritor, pensem muito bem se você quer se graduar em algo diretamente relacionado a escrita ou se você quer ser um graduando em Biologia e ter algo para escrever sobre. Independentemente, você irá encontrar o seu caminho para uma educação de escritor.

 

TSD: Você tem algum outro conselho para escritores aspirantes?

MS: Você deveria saber que eu realmente amo falar para outras pessoas como viver suas vidas, então é difícil restringir. Eu diria que a coisa mais importante é que pessoas que tomam decisões saem na frente, e isso também é verdade no mundo da escrita. As pessoas que conseguem não são aquelas excepcionais. Deveria ser por serem excepcionais, mas são aquelas boas o suficiente para não desistirem. Não importa o que aconteça em frente a eles, eles apenas seguem em frente. Mesmo que seja um fracasso que seja por causa de outra pessoa, que isso nunca demore. Eles fazem o que podem para seguir em frente. Ao invés de se focarem em ser excepcionais, focam em serem corajosos. Esse seria o meu maior conselho.

 

TSD: Há mais alguma coisa que você gostaria de deixar o seu leitor sabendo?

MS: A vida é muito curta para terminar de ler livros que você não gosta. Não importa se são bons ou ruins. Você pode deixá-los de lado; te dou total permissão. Dê a eles 20 páginas. Isso é uma coisa boa, e se não for, deixe de lado. Encontre outro. Ame a vida.


Fonte: (x)
Tradução e adaptação: The Raven Cycle Brasil, dê créditos – plágio é crime.



[LIVROS] Resumo completo do evento de lançamento de “All the Crooked Saints”
13.Out

Na última terça-feira, (10/10), foi lançado o mais novo livro de Maggie Stiefvater, All the Crooked Saints na livraria Kepler, na Califórnia. Abaixo você confere todos os detalhes do evento, incluindo detalhes sobre o novo livro e um vídeo da Maggie tocando gaita de fole! Confira:


(mais…)



[LIVRO] Maggie divulga datas da turnê de All The Crooked Saints.
20.Set


Maggie Stiefvater 
anunciou em seu site oficial que irá fazer uma turnê para a divulgação de seu novo livro All The Crooked Saints. Será em outubro, em sete semanas contendo trinta cidades.

Stiefvater ainda informou que, se comparecerem nos encontros da turnê e comprar um livro, este será personalizado – e é edição limitada!

Mas a autora ainda alerta, se você não pode ir em nenhum local da turnê e quer um livro com esta arte e autografado, é para esperar: ela era informar onde conseguir livros autografados e a arte. Confira abaixo as datas da turnê:

OUTUBRO

São Francisco – Califórnia: 10 & 11 de outubro
Santa Cruz – Califórnia: 12 de outubro
Los Angeles – Califórnia: 14 de outubro
San Diego – Califórnia: 15 de outubro
Detroit Michigan: 17 de outubro
Cincinnati – Ohio: 21 de outubro
Chicago – Illinois: 23 & 24 de outubro
St. Louis – Missouri: 25 de outubro
Wichita – Kansas: 26 de outubro
Oklahoma City – Oklahoma: 28 de outubro
Dallas – Texas: 30 de outubro
Phoenix – Arizona: 31 de outubro

NOVEMBRO

Salt Lake City – Utah: 1 de novembro
Denver – Colorado: 4 de novembro
Austin – Texas: 5 de novembro
Milton – Ontario: 6 de novembro
Oshawa – Ontario: 7 de novembro
Pointe-Claire – Quebec: 8 de novembro
Charleston – Carolina do Sul: 11 de novembro
Nashville – Tennessee: 12 de novembro
Dayton – Ohio: 13 de novembro
Urbana – Illinois: 15 de novembro
South Bend – Indiana: 16 de novembro
St. Paul – Minnesota: 19 de novembro
Boston – Massachusetts: 20 de novembro
Washington, DC: 21 de novembro


Fonte: x

 

 



[ARTIGO] Maggie fala sobre All The Crooked Saints.
10.Set

Maggie concedeu uma pequena entrevista para Mashable onde falou sobre seu nome livro All the Crooked Saints e a ideia por trás dele. Confira abaixo:


“Por muitos anos, leitores me enviaram mensagens perguntando sobre conselhos de vida, e de vez em quando eu escolhia um que eu sentia ser universal e respondia” Stiefvater contou a Mashable. “Coloquei a tag #conselhosdevidaduvidosos e, após um tempo, meus leitores começaram a perguntar usando esse nome”

E é esse conceito – conselhos de vida duvidosos – que ajudaram Stiefvater a moldar seu novo livro All The Crooked Saints, seu primeiro livro após a adorada A Saga dos Corvos.

“Eu queria explorar os pensamentos que eu havia tendo pelos últimos anos sobre a sabedoria duvidosa de se perguntar a pessoas, obviamente cheia de defeitos, por conselhos de vida, como eu. E como dar conselhos pode mudar a pessoa que está dando, e como mudando você para melhor pode ser, as vezes, feito individualmente ou através da ajuda de outra pessoa. ”

All The Crooked Saints segue a vida da família Soria, que pode realizar estranhos milagres. Como Stiefvater explica, a família Soria pode “vislumbrar a escuridão interna dos peregrinos para que eles possam encontrar os meios para vencê-lo. É muitas vezes difícil para peregrinos enfrentarem a sua própria escuridão, mesmo que eles saibam qual seja, mas eles têm que fazer isso sozinhos. Todo mundo na família Soria foi avisado que se um Soria ajudar um peregrino a realizar um milagre, sua própria escuridão irá se manifestar – e uma escuridão santa é uma coisa horrível”.

Não está convencido ainda? Deveria estar. All The Crooked Saints possui a mistura perfeita entre magia, mistério e família – ou como Stiefvater gosta de chamar “a intersecção de espiritualidade e ciência” – que tornou A Saga dos Corvos, e seus outros livros tão populares.

Enquanto All The Crooked Saints tem uma premissa de fantasia, a inspiração para o livro veio na verdade da experiência de vida de Stiefvater:

“Alguns anos atrás, enquanto estava fazendo a tour de A Saga dos Corvos, eu estava dirigindo entre eventos tarde da noite. Estava exausta de um evento demorado e uma viagem ainda mais demorada e a rodovia eight-lane parecia curvar-se para sempre. A estrada estava um pouco laranja com as centenas de luzes da rua, e isso pareceu o apocalipse porque era apenas eu e um outro carro em uma estrada para centenas de carros. Passei o outro carro. Dei uma espiada. Meu vislumbre do outro motorista estava apenas um segundo à frente, mas na luz apagada, pareceu que o motorista tinha a cabeça de um coiote. Claro que não era. Eu estava cansada, a luz estava estranha, as silhuetas eram meio sem graça, era um chapéu, era um cabelo. Mas assim que cheguei no posto de gasolina, olhei o carro a minha frente quando ele saiu. Apenas um meio segundo na luz elétrica – o motorista tinha uma cabeça de coiote. Cheguei ao lugar que estava ficando. Um caminhão me passou na estrada. Outro coiote. A noite estava cheia deles; eu estava sonhando acordada. Eu acreditava e desacreditava. Realidade e irrealidade trocavam de lugar tão fluidamente que elas eram a mesma coisa. Essa sensação foi uma das razões pelas quais escrevi esse livro. Eu queria escrever também sobre conselhos duvidosos.”

No primeiro capítulo você irá encontrar os três primos adolescentes da família Soria que estão questionando a maneira que a família Soria conduz os milagres, incluindo o primo que está a ponto de quebrar o tabu e mudar tudo para sempre.

Quer conferir o primeiro capítulo? Nós traduzimos ele para você, confira clicando aqui.


Tradução e adaptação: The Raven Cycle Brasil – não reproduza sem créditos, plágio é crime.
Fonte: Mashable



12
O The Raven Cycle Brasil não é afiliado a autora Maggie Stiefvater ou a equipe/elenco envolvida na série. Todo o conteúdo postado aqui, pertence ao site ou terá os devidos créditos. É proibida a cópia total ou parcial deste layout. Site sem fins lucrativos.