Bem-vindos ao The Raven Cycle Brasil, sua primeira e melhor fonte sobre a saga de livros e série de TV! Possuímos o melhor conteúdo sobre a Saga dos Corvos no Brasil. Com único intuído de informar e unir fãs esperamos que gostem do site e voltem sempre a nos visitar. Aproveite para nos acompanhar nas nossas redes sociais para ficar ainda mais informado sobre a saga.
Arquivo da categoria: 'Tumblr'
[TUMBLR] Maggie Stiefvater responde perguntas.
15.Nov

No dia 14/11/2017, Maggie Stiefvater abriu a inbox em seu Tumblr e respondeu algumas questões dos fãs. Nossa equipe traduziu as perguntas e respostas de maior relevância – referente aos livros da autora. Confira abaixo:


prowlingthunder
Qual foi sua frase favorita (mais recente) de escrever?

Querida prowlingthunder,

Eu estou adorando quase todas frases que escrevi no livro do Ronan, mas aqui está uma recente e aleatória (e como todas frases de um trabalho em andamento, pode desaparecer, mudar ou explodir no resultado final do livro):

Havia um deus no prédio que ele havia acabado de deixar para trás, mas também havia outro selado nesse asfalto, brilhando friamente nos refletores entre as pistas, sussurrando em línguas por baixo do rugido do motor do carro.

sua,

Stiefvater


cara-rose-witch
A saga do Ronan realmente irá acontecer, e se sim, há alguma possibilidade de vermos a “gangsey” original nela?

Querida cara-rose-witch,

A saga do Ronan realmente irá acontecer e, embora tenha personagens da saga anterior, não será A Saga dos Corvos e a gangsey não irá aparecer da mesma forma. É muito centrado no Ronan, não tanto de uma forma de ponto de vista e mais como o nosso sistema solar que é centrado no sol.

Há também novos personagens que, esperançosamente, os leitores irão passar a amar ou odiar.

Sua,

Stiefvater


randamqueen
Como alguém nascida e criada na Irlanda, é tão incomum ver histórias que utilizam a nossa mitologia/cultura de um modo respeitoso e preciso! A Saga dos Corvos fez isso de uma forma tão boa, especialmente com o Ronan e sua família. Então, minha pergunta é: o que fez com que você ficasse interessada na mitologia irlandesa e galesa? 

Querida randamqueen,

Meus pais nos criaram como parte da confusa e inconstante diáspora céltica-americana – passei minha juventude em bares, tocando em bandas célticas, assistindo qualquer filme ou TV que fosse irlandês ou escocês que pudesse ver na BBC ou na biblioteca, lendo lendas célticas e bestsellers da época e clássicas fantasias escocesas. A América Celta não é com a Irlanda, Escócia ou o País de Galês. As culturas ficam enroladas e combinadas aqui, de uma maneira que, rapidamente, fica bombástica ou esquecida, mas também se congelam em uma linguagem bastante semelhante da original, que faz parecer nostálgico e melancólico viajar para a Irlanda ou Escócia.

Há muito mais disso nos livros do Ronan, particularmente, como seria viver em uma cultura muito estranha e dividida. Diáspora de qualquer tipo pode ser tanto empoderadora quanto solitária. Você é parte de um clube, mas um em que os membros mais legítimos não pertencem, realmente, a nenhuma terra. É uma pergunta sem uma boa resposta, e essas são coisas que eu gosto de escrever sobre.

sua,

Stiefvater


theongreujoy
Olá, boa tarde (bom, espero que seja de tarde e você ainda esteja lendo as perguntas, porque sou péssima com fuso horário). Eu estava pensando se você planeja tocar na hereditariedade irlandesa do Ronan na trilogia – no contexto do Niall ter crescido na Irlanda do Norte? Levando ele a encarar valores, ser irlandesa sempre foi uma coisa complicada para mim, já que há tantos nuances na situação e seria legar ver isso ser explorado mais em uma saga, onde há mais espaço para esse tipo de coisa.

Querida theongreujoy,

Quando eu estava escrevendo A Saga dos Corvos, eu escolhi Belfast para o Niall de propósito – meu foco em graduação foi em 1916 & 1969 – mas eu ainda não tenho certeza de quanto espaço irá tomar na saga. Tudo ainda está naquele lugar de grandes mudanças. A infância de Niall pode acabar como uma história reserva que nunca aparecerá no papel, ou pode me levar para lugares maiores.

sua,

Stiefvater


agriculture-lesbian
O que aconteceu com o cachorro do Adam que conhecemos no primeiro livro?

Querida agriculture-lesbian,

Muitas pessoas me perguntam sobre esse cachorro. O cachorro não era do Adam. Era um cachorro que mal vivia perto dele. Cachorro de um vizinho. Cachorro da porta ao lado. Você pode saber disso porque, se o cachorro fosse do Adam, eu teria dado um nome para ele e depois teria o colocado em uma situação de conflito para fazer os leitores chorarem e arrancarem os cabelos e torcerem para o melhor.

sua,

Stiefvater


giraffedragon-universe
Qual foi sua parte favorita escrevendo A Corrida de Escorpião?

Querida giraffedragon-universe,

Eu amo escrever sobre comida. Há uma parte onde eles estão em uma padaria que me fez muito feliz.

sua,

Stiefvater


insert-username-here712
Querida melhor autora. Estou pensando onde você conseguiu inspiração para escrever All The Crooked Saints. É um livro lindo e, definitivamente, vai para a minha lista de livro que eu absolutamente adoro, junto com A Saga dos Corvos. Você planeja escrever uma continuação?

Querida insert-username-here712,

Ora obrigada. É um livro único, por agora. Eu quero digitar “é um livro único com toda certeza”, mas toda vez que digo que algo é “com toda certeza” eu acabo parecendo uma idiota se mudo de ideia. Então, é um livro único por agora, do mesmo modo que A Corrida de Escorpião é um livro único por agora.

sua,

Stiefvater


fantasyteapot

Oi Maggie! Eu acabei de receber All The Crooked Saints como presente de aniversário hoje, e eu estou TÃO animada para finalmente começar, mas qual é a coisa que você espera que as pessoas levem com elas depois de ler a história?

Querida fantasyteapot,

Eu vi uma crítica, mais cedo, que diz que All the Crooked Saints era apenas meio romance, realmente era apenas um relato ficcional de como Stiefvater sentiu que deveríamos enfrentar a saúde mental. Eles não estão errados. Toda a coisa era para ser uma metáfora, extensa e divertida, sobre enfrentar nossa escuridão interior, pensando em quanto disso podemos fazer por conta própria, e  quanto podemos delegar para outros, e  quanto podemos fazer em um vazio, ou não.

Se fizer com que os leitores contemples essas perguntas por, ao menos, um segundo, eu sinto que fiz meu trabalho.

Também, há um parágrafo no livro sobre besouros destrutivos que me tomou um longo tempo para pesquisar, que não influencia em nada a história, mas eu estava muito investida na pesquisa para cortar fora.

Então, provavelmente, se lembre dessa parte também.

sua,

Stiefvater


hadal-sunlight

Eu tive o privilégio de conhecer você em uma turnê e você é como suas histórias – hilária, mística, impenitentemente autêntico, com um grande coração. Eu apenas gostaria de saber se você tem algum conselho para aqueles de nós que querem publicar algo? Como você conseguiu? Obrigada por existir!

Querida hadal-sunlight,

Ora, obrigada.

Eu sabia que eu queria ser uma escritora desde pequena. Não apenas uma escritora, mas uma autora comercial, com livros de brochura em lojas de aeroporto. Eu tive um sonho! Um sonho enorme! Um sonho grande, irracional e desabotoado, de conseguir chegar no top 100 bestsellers.

Mas eu também tinha uma grande linha do tempo para conquistar esse sonho: na minha cabeça, pensei que seria ótimo conseguir entrar na lista de bestseller com 50 anos, e então, talvez trabalhar meu caminho até puxar os calcanhares desses tipos Tom Clancy.

A diferença entre esses dois, o sonho e a expectativa do sonho, foi o que fez cada contratempo e rejeição não doer. Eram todos parte do plano, no final das contas. O plano: continuar trabalhando, ficando melhor, tentando, aprendendo, vivendo a maior e melhor vida que eu podia durante esse período e, eventualmente, com 50 anos, chegar ao sucesso.

O plano foi arruinado quando eu fui publicada antes disso, mas o sentimento nunca se apagou. Sonhe grande, mas estenda a linha do tempo para algo longo, e ame a jornada.

sua,

Stiefvater


Fonte: (x)
Tradução e adaptação: The Raven Cycle Brasil – não reproduza sem créditos, plágio é crime.



[TUMBLR] Maggie fala sobre a complexidade de Kavinsky em seu Tumblr
05.Nov

Em 2014, Maggie Stiefvater respondeu uma ask em seu tumblr sobre o Kavinsky, personagem de A Saga dos Corvos, nesta postagem ela fala sobre a complexidade do personagem, suas escolhas e atitudes questionáveis. Confira:


4KIDZTV perguntou:

Ok, eu vou pegar a isca – quão fodido Kavinsky é realmente? Estou esperando pelo menos um 5 na escala Richter de sofrimento.

Tudo bem, eu vou pegar a isca de volta, porque sou jovem e rabugenta.

Cuidado, spoilers de Ladrões de Sonhos a seguir.

SPOILERS

SPOILERS

SPOILERS

SPOILERS DE COISAS

Leitores podem interpretar os acontecimentos do livro de várias maneiras, obviamente, mas aqui há coisas que aconteceram canonicamente em Ladrões de Sonhos:

  • Kavinsky droga sua mãe sem seu conhecimento;
  • Kavinsky persegue Ronan com várias mensagens de textos e presentes que indicam que ele andou observando Ronan com atenção – por exemplo: Kavinsky copia os braceletes que Ronan sempre usa e a carteira de motorista de Ronan;
  • Kavinsky geralmente chama Ronan de gay ou de menina;
  • Kavinsky foi visto uma vez com uma garota, que ele chamou de “vadia”;
  • Kavinsky tem, pelo menos, um colega morto que ele sonhou uma cópia perfeitamente obediente para substituir o que morreu – e está fortemente implícito que Kavinsky foi responsável pela morte do garoto;
  • Kavinsky diz que matou seu próprio pai (mas isso é questionável, pois Kavinsky é claramente um mentiroso);
  • Kavinsky tenta fazer Ronan desistir de seus amigos;
  • Kavinsky toca na cabeça de Ronan, bate nos dentes de Ronan com uma caneta, deixa coisas na casa de Ronan quando ele sabe que ele não estará lá;
  • Kavinsky dá uma droga a Ronan que o deixa imóvel e meio inconsciente e então, quando Ronan estava indefeso – e só então – ele toca sensualmente o corpo de Ronan (Ronan diz a si mesmo que era apenas um sonho);
  • Ronan diz a Kavinsky que eles nunca teriam alguma relação, mas Kavinsky continua mandando mensagens para ele;
  • Kavinsky diz para Ronan que o consentimento é superestimado (que pode ser percebido quando Kavinsky invade o espaço de Ronan sem sua permissão);
  • Kavinsky definitivamente se mostra frustrado por Ronan não ceder, por isso, sequestra o irmão mais novo de Ronan, droga-o, e o prende no porta-malas do carro para provocar uma reação em Ronan.

Aqui estão outras coisas que são canônicas:

  • Kavinsky é assustador, um predador terrível;
  • Kavinsky tem um passado que logicamente o levou para esse lugar;
  • Kavinsky escolhe ser levado para esse lugar.

Aqui estão outras, outras coisas, também canônicas:

  • Kavinsky pode tirar coisas de seus sonhos, possui um pai ausente (possivelmente morto), e uma mãe ausente (em grande parte inútil);
  • Ronan pode tirar coisas de seus sonhos, possui um pai ausente (definitivamente morto) e uma mãe ausente (em grande parte inútil).

Eu realmente gostei de escrever Kavinky – como personagem ele me desafiou e me encantou. E eu realmente queria que ele desafiasse e encantasse os leitores. Uma das ideias principais que estou explorando enquanto escrevo A saga dos Corvos é a questão: o quanto você é um produto de sua própria criação? E você pode superar essas partes terríveis para se tornar alguém melhor? Todos os personagens permitem essas questões, o que eu acho diabolicamente interessante na vida real. Kavinsky e Ronan tiveram as mesmas circunstâncias e lidaram com elas de modos bem diferentes. É uma escolha.

Então, se eu gosto de Kavinsky? De todos os personagens que eu já escrevi, ele é um dos meus favoritos. Top quatro, provavelmente, ou cinco, pois quatro é um número feio. Mas ele é uma pessoa terrível, mais terrível pois ele escolhe isso. A. todo. Momento. Seu passado não é uma justificativa para violar alguém sem o consentimento, sequestrar alguém, ou assediar alguém.

Se fosse assim, seria justificável Adam ter batido em Blue quando estava com raiva, porque ele apanhou de seu pai.

Quanto à escala Richter de sofrimento de Kavinsky? Eu daria certamente um 9, enquanto 10 = absolutamente zero evidências de desejo de mudança.

Esses são meus pensamentos sobre Kavinsky. Os seus podem variar.


Tradução e adaptação: The Raven Cycle Brasil – não reproduza sem os devidos créditos. Plágio é crime.

Arte da capa por: squidwiththelbows

Fonte: tumblr



[TUMBLR] Maggie fala sobre A Saga dos Corvos e a trilogia do Ronan.
09.Set

Como sempre, Maggie fez uma pequena sessão de perguntas e respostas no seu tumblr, onde respondeu as dúvidas e questionamentos dos fãs. Traduzimos as questões sobre A Saga dos Corvos e a trilogia do Ronan, confira abaixo:


Se você pudesse mudar qualquer coisa em A Saga dos Corvos, o que mudaria?

Querido (a) envynv6-blog,

Houve várias cenas nas quais Persephone ensinava Adam em Lírio Azul, Azul Lírio, que eu não consegui encontrar uma maneira de não torná-las redundantes, então eu as cortei. Se eu fosse uma pessoa mais inteligente, acho que encontraria uma maneira de mantê-las sem arruinar o ritmo do livro.

Além disso, tem um erro de digitação na primeira página impressa de O Rei Corvo que eu gostaria que não estivesse lá.

Sua,

Stiefvater


Oi! Você insinuou que sua viagem recente à Irlanda teve relativamente a ver com a sua pesquisa para a Dreamer trilogy. Então, isso me fez pensar, vamos ver o uso (ou uma referência) da língua irlandesa nesses livros? A maioria das pessoas não sabem que temos uma língua nativa que ainda é ensinada e falada em algumas regiões como a Vernacular, então seria muito legal saber se isso é algo que eu e outros fãs irlandeses poderemos esperar para ver. go raibh míle maith agat!! Xx

Querido (a) rosesalts,

A dreamer trilogy tem de tudo que eu gosto, o que significa que até agora está muito louco. Mas, isso também significa que está cheia de coisas da cultura Celta e, em particular, da cultura irlandesa. Eu não sei ainda se irei usar a língua irlandesa (se eu usar, sou sortuda o bastante por ter um amigo que é professor de língua irlandesa, o que é bom, pois vogais finas me confundem) mas eu sei que já estou me baseando em várias histórias irlandesas com as quais cresci ouvindo.

Eu gostaria muito de ter uma desculpa para fazer viagens à Irlanda, então vamos ver.

Sua,

Stiefvater


Tradução e adaptação: The Raven Cycle Brasil – não reproduza sem os devidos créditos. Plágio é crime.

Fonte: tumblr e tumblr

 



[TUMBLR] Por trás do nome.
09.Set

Vez ou outra, Stiefvater responde algumas perguntas de fãs em seu tumblr oficial (que geralmente possui a opção ask fechada). Nossa equipe encontrou essa resposta de 2015 e traduzimos para você que quer saber um pouco mais sobre Maggie Stiefvater. Confira abaixo:


Oi! Você é anarquista ou democrata ou alguma outra coisa?

Querido(a) christyluis,

Permita-me lhe contar uma história.

Quando eu era criança, meu nome não era Maggie Stiefvater. Stiefvater é meu nome de casada; antes meu sobrenome era Hummel. Como as figurinhas minúsculas de crianças alemãs sorridentes. Vá em frente. Vou esperar enquanto você procura isso no Google.

Sim, pois é.

Meu primeiro nome não era Maggie, nem mesmo Margaret. Era Heidi. Eu era Heidi Hummel. Diga isso em voz alta algumas vezes. Vá em frente. Vou esperar você dizer.

Sim, pois é.

Nunca me senti como Heidi. Eu sempre disse para as pessoas que isso era porque eu era uma criança sombria e terrível, completamente inadequada para um apelido, mas para ser honesta, não tenho certeza se me identificaria com qualquer nome que fosse dado a mim. Eu nunca fui fã de rótulos que outras pessoas nos colocam.

Quando cresci, da criança sombria e terrível para uma adolescente de dezesseis anos sombria e terrível, fui a uma consulta no oftalmologista. A recepcionista olhou para meu nome na prancheta e disse, “Heidi Hummel! Que nome fofo! Soa como uma patinadora!” Andei diretamente de volta ao carro e disse para a minha mãe que eu iria mudar o meu nome. Ela disse, “Certo.”

Mudei meu nome legalmente para Margaret, Maggie para facilitar. Gostei do nome Maggie, mas, mais do que tudo, gostei de escolhe-lo por conta própria. Antes eu era Maggie, quieta e cheia de fobias, depois eu era Maggie, o que eu quisesse ser. Quando me renomeei, eu estava definindo minhas intenções de estar no controle da minha identidade. Eu estava começando uma vida na qual os únicos rótulos que aceitei foram os que eu mesma escrevi.

Quase tudo que você precisa saber para entender minha posição política está contida nessa história. Eu não sou anarquista ou democrata ou republicana. Eu sou, sem dúvida, alguma outra coisa.

Sua,

Stiefvater


Tradução e adaptação: The Raven Cycle Brasil – não reproduza sem os devidos créditos. Plágio é crime.

Fonte: tumblr



O The Raven Cycle Brasil não é afiliado a autora Maggie Stiefvater ou a equipe/elenco envolvida na série. Todo o conteúdo postado aqui, pertence ao site ou terá os devidos créditos. É proibida a cópia total ou parcial deste layout. Site sem fins lucrativos.