Bem-vindos ao The Raven Cycle Brasil, sua primeira e melhor fonte sobre a saga de livros e série de TV! Possuímos o melhor conteúdo sobre a Saga dos Corvos no Brasil. Com único intuído de informar e unir fãs esperamos que gostem do site e voltem sempre a nos visitar. Aproveite para nos acompanhar nas nossas redes sociais para ficar ainda mais informado sobre a saga.
[LIVROS] Maggie conversa com La Nacion!
10.Out

Com o anúncio de que Maggie Stiefvater estará indo para a Argentina para a Feira do Livro (24 de abril e 14 de maio) em 2018, o La Nacion entrevistou a autora, falando sobre sua escrita, a trilogia dedicada a Ronan Lynch e a futura série de TV. Confira a entrevista traduzida abaixo:


Como ela mesmo confessa em sua rede social pessoal, não foi fácil, durante anos, manter um emprego por ser muito excêntrica. Costumava falar sozinha, as vezes era pega olhando para o nada e, como se isso fosse pouco, começou a aparecer em seu turno de trabalho em seu pijama. Coisas que, obviamente, não são muito bem vistas. Depois de refletir e pensar sobre seu futuro, aos 22 anos (nasceu em 18 de novembro de 1981), Maggie se convenceu e decidiu que a única maneira de ganhar na vida era como artista, dar corda a sua paixão pela música (toca piano, a gaita de fole e harpa celta), pelo desenho, pelas artes manuais e, obviamente, pela escrita. Com o tempo, conseguiu que tudo se encaixasse. De fato, ela mesmo compõe, toca a música e edita os trailers de seus livros.

A série de livros d’A Saga dos Corvos oferece uma mistura interessante de magia, folclore, mistério e suspense. Como surgiu a ideia de combinar todos esses elementos em apenas uma história?

Há muito tempo, recebi estes dois ótimos conselhos: escreva o livro que você deseja encontrar em sua biblioteca e, acima de tudo, escreva o que goste de ler. Quando eu era jovem, amava dois tipos muito diferentes de literatura. A fantasia cheia de mitologia e folclore me encantava, mas os suspenses de ritmo rápido também me fascinavam, os tipos de histórias que você compraria em um aeroporto. Querendo seguir esses conselhos, me perguntei o que seria necessário para criar uma série que juntasse esses dois gêneros tão diferentes. E me animei.

O que você gosta e mais se interessa em explorar do folclore e da mitologia?

O que eu adoro da mitologia é que, as vezes, faz com que as verdades pareçam ainda mais verdades: exclui todos os detalhes contemporâneos que podem atrapalhar o verdadeiro significado de uma história e os substitui com circunstancias mágicas que podem ser facilmente interpretadas por um estranho. O folclore e a mitologia servem como metáforas de valores, medos e interesses de uma sociedade. Como leitura, eu gosto de como a mitologia abre janelas para outras culturas. Como escritora, trabalho muito para conseguir criar minha própria mitologia e poder traze-la para os dias atuais.

Sem dúvidas a riqueza, a vida pessoal dos personagens da saga, são marcas que a diferenciam de outras histórias. O que te inspira?

Há muitos anos li um livro chamado “Someday this pain will be useful to you”* e a forma que eu penso e me relaciono com personagens dos livros mudou completamente. O personagem principal dessa história, James, era tão específico e tão bem delineado que, quando terminei o livro, eu senti falta dele, como se fosse uma pessoa real. Então eu pensei: esse é o objetivo. Criar pessoas que os leitores sintam falta quando terminarem os livros. Como o faço? Bem, tento equilibrar a previsibilidade, é importante para a tensão que o leitor consiga adivinhar como um personagem pensa e como responderá a qualquer situação apresentada. Os detalhes difusos, que são sem importância e não vão, necessariamente, contribuir para o trama, servem para passar a impressão de que você está lendo a descrição de uma pessoa que realmente existe em algum lugar. Podem ser tiques vocais, ou simplesmente hábitos como o de pressionar e morder os lábios; ou um passatempo que não tem nada a ver com a história. O único problema com isso é que demanda um monte de palavras e muito tempo, e temo que nunca vou ser rápida o bastante. Cada livro é uma jornada tranquila, tortuosa e estranha.


Blue Sargent, um dos personagens da história, é uma feminista clara. Em teus livros sempre há uma referência clara do que significa ser mulher.

Em todos meus livros há algo que esboce muito o que significa ser mulher neste mundo. As vezes é através de uma personagem como Blue, que é feroz e imperfeita e cresce em seu próprio feminismo. E, as vezes, é através de uma personagem como Puck, que através de sua maneira desprevenida, desafia a cultura predominantemente masculina em sua ilhar, e outras vezes, é através de uma personagem como Isabel, que caminha violentamente pelo mundo com impressões de leopardo. Ser mulher é complicado. Eu sei que nunca ficarei sem ter o que dizer a respeito disso.

La saga completa
O que você pode nos contar sobre a série de TV inspirada n’A Saga dos Corvos?

Temos um grande produtor,  Michael London de Groundswell, que está totalmente envolvido no projeto.

Como você imagina a adaptação? Você irá participar da escrita dos roteiros?

Por hora, tudo é um segredo. Muito secreto.


Muitos especulam que Ronan Lynch, um dos personagens da saga, terá sua própria história. É isso mesmo?

Nesse momento estou trabalhando na história do Ronan, será uma trilogia e estou aproveitando cada minuto dela. Ninguém sabe nada a respeito, nem o meu editor. E eu adoro isso.

A tua paixão pela música, carros, pinturas… isso ganha vida na tua escrita e colore a história e os personagens que você imagina de um jeito diferente..

Eu acredito que sou apenas uma pessoa muito curiosa, muito faminta. Não quero deixar essa vida e pensar: que pena que não fiz tal coisa. Se algo me interessa, quero investir por completo. E se é algo que eu posso provar de uma maneira prática, é ainda melhor.


* Someday this pain will be useful to you: Um dia essa dor será útil, em português, livro de Peter Cameron (x).
Fonte: (x)
Tradução e adaptação: Juliana Piazza – não reproduza sem os devidos créditos, plágio é crime.

Aproveite para ler também:
Espere! Não se vá antes de deixar o seu comentário sobre o post


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *



O The Raven Cycle Brasil não é afiliado a autora Maggie Stiefvater ou a equipe/elenco envolvida na série. Todo o conteúdo postado aqui, pertence ao site ou terá os devidos créditos. É proibida a cópia total ou parcial deste layout. Site sem fins lucrativos.